fbpx
Origens do café

Café Brasileiro: Entenda tudo sobre este produto especial

Brasil… País do samba, futebol, praias de areia fina e caipirinha. Nada mais maravilhoso! Mas o Brasil não é só isso. Este país também é o maior produtor de Arábica do mundo!

Hoje, vamos dar uma olhada no Brasil e sua cultura do café.

A produção de café é de grande importância no Brasil. É até um dos pontos fortes da economia do nosso país! Em alguns números, a cafeicultura brasileira:

  • 51,4 milhões de sacas (de 60 kg) produzidas pelo Brasil em média a cada ano;
  • 27.000 km2 dedicados às plantações de café (quase o tamanho da área da Bélgica!);
  • Uma produção composta por 85% de Arábica e 15% de Robusta;
  • Uma altitude das plantações entre 200 e 1300 metros;
  • O número um na produção de café;
  • O número dois em termos de consumo global.

Como você pode ver, a cultura do café é enorme no nosso país.

Um pouco de história

O café surgiu no Brasil no século 18, quando o país ainda era uma colônia portuguesa. Na época, o país se concentrava principalmente no cultivo da cana-de-açúcar. Apesar de lucrativos, os colonos queriam diversificar as culturas e multiplicar os recursos do território.

O jovem soldado Francisco de Mello Palheta foi enviado pelo governador da província do Grão-Pará, na Guiana, grande produtor de café na época e vizinho do Brasil. Francisco, com os seus encantos, conseguiu obter algumas plantas por conta de Portugal. Assim, o cafeeiro surgiu no Brasil.

Após as primeiras safras frutíferas na região do Grão-Pará, o café brasileiro é exportado para o sudeste do país. E é aí, graças ao clima mais temperado e aos novos investimentos, que a produção realmente decolou.

Em 1806, o Brasil conseguiu exportar cerca de 120 toneladas, o que o elevou entre os produtores mais importantes do mundo. Com o tempo, o país passou a figurar entre os maiores, até se tornar o maior produtor mundial em 1840.

É importante destacar que o Brasil praticava a escravidão naquela época. Assim, os barões do café enriqueceram em detrimento de uma força de trabalho da qual se podia com essa forma desumana. Somente em 1888 o país aboliu a escravidão, graças à pressão da Inglaterra.

Hoje, a indústria do café se desenvolveu em nível local. Embora o país continue exportando feijão verde, ele é torrado no Brasil e vendido como produto acabado, principalmente para atender ao mercado interno.

Cultura do café no Brasil

Hoje, o período de colheita no Brasil se estende por vários meses. Começa em abril e termina em setembro. Os cafeicultores trabalham em diversas variedades:

  • Variedades de Arábica, como Typica , Bourbon , Caturra e Maragogipe ;
  • Essencialmente uma variedade de Robusta, o Conilon .

Vários métodos são usados ​​no processo de colheita do café. Em primeiro lugar, o método mecânico (também denominado “decapagem”) consiste em colher por peneira tudo o que está no mesmo galho. Infelizmente, essa colheita não é seletiva quanto à qualidade das cerejas do café.

É possível colher cerejas de café do ramo manualmente, o que permite uma colheita mais seletiva. Também chamado de “picking”, esse processo é certamente melhor do ponto de vista da qualidade do produto, mas leva tempo. Muito tempo.

A decapagem é mais utilizada no Brasil, pois o método é muito menos trabalhoso e rápido. No modo de produção do café Alfaia, somente fazemos a colheita picking, que traz muito mais qualidade para o nosso café.

Uma vez colhidos, os grãos são tratados pelo método seco, semi-úmido ou úmido, dependendo de onde a safra é colhida. Os grãos secos ao sol e não lavados são comercializados com o nome “Brasil” para poder diferenciá-los dos mais finos, chamados de “Suaves”.

As principais áreas de produção

Se o café cresce tão bem no Brasil, é graças ao seu clima que favorece uma cultura de qualidade. As plantas beneficiam de muito boas condições: altitude, calor e chuvas generosas.

Fatores não desprezíveis que permitem ao Brasil se estabelecer como líder contra outros países produtores de café.

Prova da importância da cafeicultura na economia brasileira: 7 dos 26 estados brasileiros cultivam café. 4 delas representam 98% da receita total: Paraná, São Paulo, Minas Gerais e Espírito Santo. Eles estão localizados principalmente no sudeste do país.

Vale ressaltar que graças ao pedido de certificação dos países importadores, os produtores brasileiros estão dando mais ênfase ao respeito ao meio ambiente e à biodiversidade.

Os aromas do café brasileiro

O Brasil produz tantos tipos diferentes de café que é difícil generalizar. A diversidade é muito grande! No entanto, os apreciadores acreditam que os cafés da safra brasileira apresentam corpo neutro e baixa acidez, o que os torna adequados para diversos blends.

Outra característica mais geral do café brasileiro: seu caráter é levemente ácido e notas de cacau, caramelo ou avelã são perceptíveis no final da degustação. Mas para ser justo, depende muito da variedade cultivada e das condições climáticas.

Qual café brasileiro escolher?

Com todas as opções disponíveis, pode ser difícil navegar. “Santos” tem fama de serem os melhores cafés brasileiros, “Paraná” é mais duro, enquanto “Bourbon” e “Rio” são perfeitos para blends. O primeiro é suave e neutro, o segundo mais forte. Assim, sua decisão será feita de acordo com suas preferências pessoais.

O café brasileiro de qualidade também está disponível por pequenos e médios comerciantes, que podem oferecer um produto que é acompanhado de perto em todas as atividades de produção.

O café Alfaia, agora disponível em nossa loja virtual, é sua melhor escolha.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.