fbpx
Origens do café

Café Icatu

O café Icatu ganhou muito reconhecimento nos últimos anos pelos apreciadores dessa maravilhosa bebida. Afinal de contas, quem não deseja ter uma xícara de café que traz uma explosão de sabor em sua boca – no começo da degustação, um mundo de notas florais, uma acidez pronunciada durante os primeiros goles e um final adocicado muito marcante, que sempre deixa uma sensação de quero mais no paladar.

O café Icatu é fortemente encorpado, trazendo uma bebida que é muito bem vista em dias mais frios.

Para que o café Icatu tenha seu sabor ainda mais pronunciado, muitos produtores fazem sua fermentação por 48 horas antes de fazer o embalo. Por esses motivos, o café Icatu vem ganhando cada vez mais amantes e defensores no mundo dos apreciadores da bebida.

Origem do café Icatu

O café Icatu foi obtido através do cruzamento da variedade canephora com o Bourbon vermelho, em 1950, gerando a base de dois grandes grupos – amarelo e vermelho. Esses primeiros cruzamentos deram origem a variedade Icatu amarelo, e foram primeiramente produzidas com motivos comerciais somente em 1971. Após mais algumas pesquisas, se chegou a uma planta com forte possibilidade de crescimento voltado ao comércio somente no começo dos anos 90, no interior paulista.

Mas foi somente quase no ano 2000 que foi aberta sua inscrição no Registro Nacional de cultivares, o último passo que faltava para sua produção comercial, que ganharia muito espaço nas produções em pouco tempo.

O cultivo do café Icatu vermelho tem como grande marca a alta resistência a nematóides e fungos. Os caffeiros dessa variedade podem chegar a quase três metros de altura, por isso é sempre confundido com a variedade Novo Mundo. Essa sua grande resistência também se deve em partes a sua espécie mãe Robusta, a variedade canephora usada no seu desenvolvimento primário.

Toda essa pesquisa ocorreu devido a praga ferrugem, que ameaça colheitas em toda a América Central e do Sul. Os grãos do café Icatu são altamente resistente à ferrugem da folha, o que permite que as colheitas sejam amplas e abundantes, o que significa que também mantém o preço baixo em comparação com outros cafés especiais.

E assim como a família Robusta, pode possuir uma maturação tardia, tendo como principal período de maturação entre os meses de abril e junho. A região da Serra da Mantiqueira, em Minas Gerais, hoje é a maior produtora do café Icatu em todo o Brasil.

Para que seus grãos consigam chegar nas xícaras dos especialistas em café em sua melhor forma, é preciso muito cuidado ao manusear o café, inclusive se atento a questões como luz e calor durante todo o transporte.

Como era de se esperar, essa variedade marcante do café nacional já há anos é muito bem reconhecida em muitos concursos de café especiais 100% arábicas. Todo esse reconhecimento fez do café Icatu também base para a produção de outras variedades de café, como o café Arara, que também vem ganhando muito espaço na produção na região sul de Minas Gerais.

O sabor do café Icatu

Mesmo que você não seja um especialista nas características do café, ainda notará como a bebida é cheia de sabor, seja qual for a forma em que seja feita.

A incrível verdade é que esta variedade de grão ainda está engatinhando e, portanto, seu potencial como café especial ainda não foi reconhecido, mas uma coisa é certa: só vai melhorar e pode mudar o rumo da exportação de café de Brasil como o conhecemos.

Devida a sua herança do Bourbon Vermelho, o café Icatu possui notas muito bem acentuadas de chocolate, com um aroma sempre muito intenso. Seu aroma de amêndoas é o ponto forte do café, que cada vez mais é procurado por quem gosta de um café bem intenso e encorpado. Com uma acidez mediana, também é muito usado por baristas que desejam estimular os clientes a começarem o dia com uma energia extra.

Tanto o café Icatu amarelo quando o café Icatu vermelho ganharam muito destaque na produção do café expresso, por seu aroma fortemente presente. Como todo café arábica, é recomendado que seja sua moagem aconteça somente no momento da sua preparação, para que seu aroma maravilhoso seja sentido de perto.

Um outro novo grupo do café Icatu, o Icatu precoce também possui os mesmos sabores e aromas dos grupos mais antigos.

O café Icatu é cada vez mais reconhecido mundialmente, por ser uma variedade muito resistente a pragas, ao mesmo tempo que possui grãos que podem fornecer uma xícara da bebida com um gosto incrível, e um aroma inesquecível.

O café brasileiro é tecnicamente o café mais popular do mundo. Está em toda parte, mas por muito tempo não foi visto como um café de extrema qualidade. Mas com a popularização mundial de variedades como o Icatu, que são resistentes as pragas ao mesmo tempo produzem grãos especiais, a qualidade do café brasileiro será cada vez mais valorizado.

Um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.