fbpx
Origens do café

Os tipos de café mais caros do mundo

Kopi Luwak, Black Ivory, Jamaica Blue Mountain, café St. Helena e o café Havaiano Kona – estão entre os cafés mais caros do mundo. Como são muito procurados e o rendimento da colheita é muito baixo, são difíceis de serem comprados.

Mas o que torna esses cafés tão especiais? E por que você deve prepará-los com cuidado, de preferência junto a um barista? Explicamos o fenômeno dessas raridades, o processo de fabricação às vezes estranho das variedades e as respectivas características especiais.

As raridades mais famosas:

Kopi Luwak

Um dos tipos de café mais caros e conhecidos é o Kopi Luwak da Índia. O preço e a popularidade derivam de seu processo de fabricação incomum e, para alguns, desconcertante.

O Paradoxurus hermaphroditus é uma espécie de gato rastejante que se alimenta de cerejas de café, além de várias frutas, vermes e insetos. Apenas a polpa das cerejas do café é processada durante a digestão.

Os grãos de café são fermentados por enzimas e depois excretados. Os proprietários das plantações recolhem o feijão, lavam-no e depois secam-no ao sol. O baixo volume de produção e a alta demanda levam ao aumento dos preços e, infelizmente, também ao fato de cada vez mais animais serem mantidos em cativeiro em gaiolas pequenas. Infelizmente, a referência à “coleta selvagem” também é cada vez menos confiável.

O sabor do “café de gato” é descrito como suave, com baixo teor de substâncias ácidas e amargas e ligeiramente doce. O sabor do Kopi Luwak pode variar dependendo dos tipos de café que o gato furtivo ingere.

Marfim negro

O Café Black Ivory da Tailândia é feito de forma semelhante ao Kopi Luwak da Índia. Seu preço – cerca de R$ 200 por xícara – é semelhante ao do café para gatos. O pano de fundo da produção é, no entanto, diferente. Os elefantes, responsáveis ​​pelo refinamento do feijão, vivem na “Golden Triangle Asian Elephant Foundation”, acampamento onde vivem paquidermes resgatados.

Oito por cento dos rendimentos do Black Ivory voltam para a Fundação Elefante e são usados ​​para alimentação e despesas veterinárias. Para a produção deste café exclusivo, apenas grãos 100% arábica tailandês são usados.

Para fazer 1 kg desse café, cerca de 30 kg de café arábica devem ser dados a um elefante. O Black Ivory é servido apenas em hotéis 5 estrelas selecionados. Mas não só o processamento do café é algo especial, mas também o preparo nos hotéis: o café é feito diretamente à mesa com um sifão francês.

Jamaica Blue Mountain

A Jamaica Blue Mountain cresce em altitudes de até 1.700 metros acima do nível do mar. Como o nome sugere, vem de áreas de cultivo nas montanhas azuis. Devido à localização, às baixas temperaturas e às chuvas fortes, os frutos do café crescem mais lentamente do que outros cafés arábica. Seu tempo de maturação é em média de 10 meses, enquanto outros cafés podem ser colhidos após cinco meses.

Devido à pequena área de cultivo de 6.000 hectares, a colheita é limitada. Após a colheita, o café é verificado pela Jamaica Coffee Industry Board. Somente quando este órgão tiver certificado o café verde, ele poderá receber o nome de “Jamaica Blue Mountain”.

Outro diferencial de venda: o café verde é armazenado em barricas com impressão em preto – disponível em 15, 30 e 70 kg. O café verde colhido está disponível em cinco níveis de qualidade diferentes – para cada nível existem regulamentações precisas para o tamanho e a aparência dos grãos.

O café tem um sabor suave, ligeiramente doce com uma acidez sutil. Seus sabores são variados e complexos.

Café Santa Helena (Bourbon com ponta verde)

Graças ao solo vulcânico e ao clima ameno, o café St. Helene – a variedade real é chamada de Bourbon Arábica com ponta verde – prospera nas melhores condições. O café ganhou fama por meio de Napoleão Bonaparte, que manteve um diário durante seu exílio em Santa Helena e elogiou o café em alta voz. O sabor do café é suave e equilibrado.

Tem um corpo cheio e notas de flores e frutos. Devido ao tamanho da ilha, existem apenas seis fazendas de café que cultivam essa variedade. O cultivo e a colheita ocorrem sem máquinas – tudo é feito à mão.

A baixa safra anual e a alta qualidade do café – devido ao cultivo manual – são os motivos do preço altíssimo.

Kona havaiana

Altas encostas vulcânicas com solos férteis e clima tropical fornecem a base para um dos cafés Arábica mais exclusivos e caros do mundo. O café havaiano Kona é mais conhecido por seus grandes grãos de café. O luxuoso café é cultivado na costa oeste da ilha do Havaí – também conhecida como Ilha Grande. A área de cultivo é extremamente limitada e cobre uma área de cerca de 30 x 3 quilômetros.

O café também é cultivado nas outras ilhas do Havaí, mas não pode ser chamado de café Kona. Existem três variedades de café Kona. O tipo 1 inclui apenas os grãos maiores. Os grãos de pérolas especiais e raros ficam escondidos atrás do tipo 2, pois não amadurecem na cereja do café aos pares, como de costume, mas individualmente. Além disso, não existem várias misturas, mas devem conter pelo menos 10% de café Kona.

A embalagem que contém café Kona puro deve ter a etiqueta “100% Café Kona”. Mas qual é o sabor deste café luxuoso? O café Kona tem um corpo poderoso com sabores equilibrados e notas de canela.

Café de gueixa

Parece japonês, mas vem do Panamá: café Geisha. É uma variedade de Arábica que se tornou famosa graças à fazenda “La Esmeralda”. Desde que a planta do café foi descoberta por necessidade – a ferrugem do café atacou várias plantas e apenas as plantas das gueixas ainda estavam intactas – eles receberam vários prêmios em todo o mundo.

O café tem um gosto muito diferente dos outros cafés. Apresenta notas muito florais, mas falta o habitual aroma torrado e corpo macio. Os bebedores de café sentirão falta da poderosa sensação na boca. No geral, a gueixa lembra mais o chá preto. O clima úmido e fresco do Panamá garante um crescimento lento e suave no qual os numerosos aromas frutados podem se desenvolver.

Como este café é tão diferente dos outros, também não é adequado para todos os mercados. O Japão e a China, países que costumam consumir muito chá junto com o café, são os maiores compradores.  

Maragogipe

O café Maragogipe é um cruzamento entre o Arábica e a Libéria. No entanto, ninguém sabe ao certo se o cruzamento foi causado por uma mutação ou um cruzamento deliberado. Os grãos são significativamente maiores do que os grãos de arábica comum – cerca de 30% a 40%. É por isso que também são chamados de feijão-elefante. Embora o feijão seja maior, o rendimento da colheita é menor.

Este café é cultivado principalmente no México e na Nicarágua, mas também existem outros países produtores. Quando fermentado, o Maragogipe é leve e com baixo teor de ácido. Como deve ser torrado com muito cuidado, normalmente só pode ser encontrado em torradores especiais.

O melhor café brasileiro

Mas se você está procurando um café nacional de extrema qualidade e que seja acessível, recomendamos o café 100% arábica da variedade Acaiá, do sul de Minas Gerais. Na nossa loja virtual, há opções de cafés em grãos, moídos ou até mesmo em cápsulas!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.